30 de junho de 2010

pequena concessão a se desdobrar mil







"existirmos a que será que se destina?
pois quando tu me deste a rosa pequenina vi que és um homem lindo e que se acaso a sina do menino infeliz não se nos ilumina, tampouco turva-se a lágrima nordestina, apenas a matéria vida era tão fina...
e éramos olharmo-nos intacta retina, a cajuína cristalina em Teresina..."

(caetano veloso)

Um comentário:

A meia-voz disse...

"Zé Chinelão, onde você estiver, eu te amo..."