28 de janeiro de 2011

outra volta




o mundo, pleno de ires.
quando se vai, a paisagem parece permanecer.
mas, nunca: nada se mantém.
todo o tempo outro sempre outra e sempre a mesma.
o mundo a estrada a paisagem.
nada de volta.
nada volta.
nada.

2 comentários:

telma disse...

Achei preciosa essa dança das ondas que você trouxe. Eu andava por aqui, esperando sua outra volta.

Priscila Maria disse...

volta sim!
às vezes.