3 de fevereiro de 2011

respirar



no canto esquerdo da praia, mora uma tartaruga. quando menos se espera, ela emerge, a respirar. lentas nadadeiras dançantes.
quando se espera por ela, ela se esquece de si.
não é grande. tem o casco avermelhado, cheio de tudo.
já nasceu antiga.
no livro que acabei de ler, a tartaruga é um pesadelo.
esta, no canto esquerdo, mesmo quando na distância, povoa o mundo.
algumas pessoas são como esta tartaruga.

2 comentários:

Ceci Paulics Faleiros disse...

Gosto muito das tartarugas, as marítimas.Esperar prá vê-las subir e respirar é bem especial...

Ana de Longe disse...

Por acaso, não conheço as tartarugas marítimas, somente pela tv. Mas já tive o privilégio de ter tracajás como vizinhos e sua ânsia por tomar sol, escapando por cima dos galhos caídos nos garapés. Este garapé, hoje em dia, não existe mais. Aliás, existe sim: dentro de mim, ele e seus tracajás.