25 de fevereiro de 2013

e me curvo, e me submeto

Iniciação
(Orides Fontela)

Se vens a uma terra estranha
curva-te

se este lugar é esquisito
curva-te

se o dia é todo estranheza
submete-te

-- és infinitamente mais estranho.

Um comentário:

Fabiana disse...

Aí está ele: sem a palavra "estrangeiro", nem no título nem no corpo do poema, mas tão, tão eloquente para essas estranhezas de quando a gente não pertence. que bom que você achou (a minha Orides tá em alguma caixa!). Um beijo.