25 de abril de 2017

primavera



passei uns meses sem saber se queria ou não a primavera deste ano. no verão passado ganhei uns ovos de bicho da seda e sabia que quando brotassem as amoreiras, tiraria os ovos do frio, esperaria que eclodissem, e alimentaria lagartas, no princípio minúsculas, que cresceriam a cada dia.
tenho questões com lagartas. destas questões antigas e inexplicáveis.
gosto dos silêncios, dos ciclos, dos casulos, admiro os fios de seda e as pequenas borboletas a reiniciar o movimento. mas enfrentar as lagartas em seus gestos de lagarta...
nesse momento devem ser umas duzentas, movendo patas minúsculas e bocas. são frágeis.
meu espanto repousa numa caixa de sapatos no balcão da cozinha. pequenos furos para não nos faltar o ar.
primavera estranha esta.

24 de abril de 2017

um poema de elisabeth bishop

A arte de perder

A arte de perder não é nenhum mistério;
Tantas coisas contêm em si o acidente
De perdê-las, que perder não é nada sério.

Perca um pouquinho a cada dia. Aceite, austero,
A chave perdida, a hora gasta bestamente.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Depois perca mais rápido, com mais critério:
Lugares, nomes, a escala subseqüente
Da viagem não feita. Nada disso é sério.

Perdi o relógio de mamãe. Ah! E nem quero
Lembrar a perda de três casas excelentes.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Perdi duas cidades lindas. E um império
Que era meu, dois rios, e mais um continente.
Tenho saudade deles. Mas não é nada sério.

Mesmo perder você (a voz, o riso etéreo
que eu amo) não muda nada. Pois é evidente
que a arte de perder não chega a ser mistério
por muito que pareça (Escreve!) muito sério. ”

(tradução de Paulo Henriques Britto)


One Art

The art of losing isn’t hard to master;
so many things seem filled with the intent
to be lost that their loss is no disaster.

Lose something every day. Accept the fluster
of lost door keys, the hour badly spent.
The art of losing isn’t hard to master.

Then practice losing farther, losing faster:
places, and names, and where it was you meant
to travel. None of these will bring disaster.

I lost my mother’s watch. And look! my last, or
next-to-last, of three loved houses went.
The art of losing isn’t hard to master.

I lost two cities, lovely ones. And, vaster,
some realms I owned, two rivers, a continent.
I miss them, but it wasn’t a disaster.

-Even losing you (the joking voice, a gesture
I love) I shan’t have lied. It’s evident
the art of losing’s not too hard to master
though it may look like (Write it!) like disaster.

20 de abril de 2017

entre as tulipas sempre é primavera


vários caminhos diferentes vão me levando para a tradução de poemas de attila jozsef, nascido na hungria em 1905 e morto em 1937, sem que se saiba ao certo se acidente ou suicídio.
o primeiro caminho que me levou até ele foi meu pai. um dia conversando, selecionamos alguns poemas que poderiam ser um bom exercício de tradução conjunta. mas nao seguimos com isso. a vida leva, a vida traz, e isso agora já não será possível. não com meu pai, ao menos.
quando resolvi retomar, soube que havia uma tradução para o catalão. na rede de bibliotecas daqui só havia um exemplar, não emprestável, num lugar distante. procurei saber quem era o tradutor e ao saber que era de valencia, perguntei ao joan navarro, poeta e amigo, se não o conheceria. além de conhecer o eduardo verger, entrou em contato com ele, conversou, e poucos dias depois já me enviava um arquivo eletronico com o conteúdo do livro que estava esgotado.
devagarinho fiz minha própria seleção e comecei a tradução. traduzir é sempre difícil. o húngaro não é uma língua fácil.
aproveitei a viagem que fiz para visitar meu tio, irmão do meu pai, e perguntei a ele se poderia me ajudar a ver o que eu tinha incluído na minha seleção, conversar sobre alguns versos, expressões.
e ali, no apartamento pequeno de uma pequena cidade do interior da hungria, no avançado da noite, enquanto eu dizia das dúvidas, ele e minha tia comentavam o que está além das linhas, liam os poemas, quase sussurro. a dor de attila. e sua voz imensa. via meu tio e nele eu via também os gestos do meu pai. os papeis sobre a mesa sob a luz amarela noite adentro.
e nisso estou: na voz do meu pai. na voz dos meus tios. esse sussurro. e na minha própria voz, ainda perdida, que procuro emprestar para attila jozsef. e o seu grito.


18 de abril de 2017

poemas de yehuda amichai

El mar y la playa

El mar y la playa están siempre juntos. Los dos
quieren aprender a hablar, aprender a decir
una sola palabra. El mar quiere decir “playa”
y la playa quiere decir “mar”. Se acercan, llevan
millones de años acercandose a la palabra, a la pronunciación
de la palabra. Cuando el mar diga “playa”
y la playa diga “mar”,
llegará la redención al mundo,
volverá el mundo al caos.



Los caminos son nuevos

Los caminos son nuevos, los zapatos
comprados ayer mismo, pero la marcha
es antigua y heredada.
Entendimos la llúvia sólo
cuando ya era verano y en el mundo
discutían de pasado y presente y futuro.
En el lejano valle se firmó una alianza.
Fábulas de hombres
contadas a los zorros.




Quiero vivir hasta que las palabras en mi boca no sean más
que movimientos y consonantes, tal vez sólo movimientos, sonidos suaves.
El alma que llevo adentro es ahora la última lengua extranjera que estudio.
Y quiero vivir hasta que todos los números sean sagrados,
no sólo el uno, no sólo el siete ni solamente el doce o el tres,
sino todos los números, veintitrés los caídos en la batalla de Huleikahat,
diecisiete kilómetros hasta el lugar encantado, treinta y cuatro
noches, ciento veintinueve días de gracia, mil trescientos años
de velocidad de la luz, cuarenta y tres momentos de felicidad
(y el número de años de mi vida sigue siendo X). Una historia de cuatro mil
años en los cuarenta y cinco minutos del examen final de la escuela.
Y no hay número para las noches y los días —pero habrán de tenerlo.
Y hasta el infinito será sagrado y entonces descansaré un reposo eterno.



17 de abril de 2017

um poema de adelia prado

No meio da noite

Acordei meu bem pra lhe contar meu sonho:
sem apoio de mesa ou jarro eram as buganvílias brancas destacadas de um escuro.
Não fosforesciam, nem cheiravam, nem eram alvas.
Eram brancas no ramo, brancas de leite grosso.
No quarto escuro, a única visível coisa, o próprio ato de ver.
Como se sente o gosto da comida eu senti o que falavam:
"A ressurreição já está sendo urdida, os tubérculos da alegria estão inchando úmidos, vão brotar sinos”.
Doía como um prazer
Vendo que eu não mentia ele falou:as mulheres são complicadas.
Homem é tão singelo.Eu sou singelo. Fica singela também.
Respondi que queria ser singela e na mesma hora,singela, singela, comecei a repetir singela
A palavra destacou-se novíssima como as buganvílias do sonho.
Me atropelou.
— O que que foi? — ele disse.
— As buganvílias...
Como nenhum de nós podia ir mais além,
solucei alto e fui chorando, chorando,até ficar singela e dormir de novo.

16 de abril de 2017

um poema de ruy belo

Não sei nada

Conheço as palavras pelo dorso. Outro, no meu lugar, diria que sou um domador de palavras. Mas só eu – eu e os meus irmãos – sei em que medida sou eu que sou domado por elas. A iniciativa pertence-lhes. São elas que conduzem o meu trenó sem chicote, nem rédeas, nem caminho determinado antes da grande aventura.
Sim. Conheço as palavras. Tenho um vocabulário próprio. O que sofri, o que vim a saber com muito esforço fez inchar, rolar umas sobre as outras as palavras. As palavras são seixos que rolo na boca antes de as soltar. São pesadas e caem. São o contrário dos pássaros, embora “pássaro” seja uma das palavras. A minha vida passou para o dicionário que sou. A vida não interessa. Alguém que me procure tem de começar – e de se ficar – pelas palavras. Através das várias relações de vizinhança, entre elas estabelecidas no poema, talvez venha a saber alguma coisa. Até não saber nada, como eu não sei.