15 de março de 2010

chá da tarde com tortinhas de marzipã

a senhora jabur se veste de delicadezas para dizer coisas doces ou o seu contrário.
raramente se despe.
quando o faz, é sem asperezas.
de longe, acena, se despede e se vai. sempre.
e sempre ela mesma.


.

Um comentário:

Flora disse...

a senhora jabur ficou tão honrada com este delicado-poema-presente que se despetalou inteira.
ela gostaria de declamar alguns versos a seu respeito:

trata-se de uma camponesa irremediável
que deseja morar numa yurta e...
só sossega quando toca o solo originário
sob o vento do devir