24 de agosto de 2020

too much

 os tomates crescem, crescem quase a olhos vistos. são de um verde opaco, cremoso, e têm uma penugem de pele de bebê. de um momento para o outro, é como se perdessem a penugem e o verde opaco se transforma numa película que cobre os veios do tomate, vê-se que é repleto de fluidos, tomado de transparências. agora eu sei que neste momento começa a amadurecer. depois de perder sua opacidade, mantem a translucides por uns dias, mas depois a pele fica firme e o verde passará para uma cor difícil de descrever, entre o verde e o laranja, e lentamente, como se fosse mesmo um amanhecer, o tomate chegará primeiro num laranja sem brilho e logo num vermelho cada vez mais profundo e brilhante. a única tristeza de ver os tomates amadurecendo ao sol de verão é saber que o tomateiro, em si, ainda que lance mais umas flores, não viverá muito. as folhas secam, secam, e um dia todo ele está seco. só se mantém em pé porque se apoia na estrutura que construímos para ele.

fico pensando se a nossa pele quando for ficando translúcida será sinal de que estaremos enfim amadurecendo. a nossa morte, um tomate maduro, carnudo, cheio de suco e sementinhas.

19 de agosto de 2020

alnitak, alnilam e mintaka

a vida pulsa no coração imenso da baleia, no trajeto silencioso das medusas, na auréola aquática da terra que gira gira gira entre o sol que nasce enquanto o sol se põe e tanto sal na nossa mesa.

ávidos  batíamos no peito, chorando e gemendo, os ossos secos e os olhos a escorrer o que chuva alguma alcança, esta erosão.

se na primeira noite éramos muitos ao redor do fogo, uma manhã depois não nos conhecíamos mais: cada qual em sua gruta no escuro da própria sombra.

o medo tem crescido mais que a fome e meus galhos, estas asas de ave submergidas numa pedra.

18 de agosto de 2020

cristalino

a batata é uma solanácea como o tomate e a berinjela e o fisalis, como todas estas, também tem flor e semente. não se usa a semente pra plantar batata porque não se sabe o resultado, mas planta-se o broto de uma batata bonita - o grelo da batata se diz aqui - e assim o pé de batata fica sendo um clone da batata bonita com seu grelo, que por sua vez é resultado de um broto de batata bonita que por sua vez... sem se saber ao certo há quantos milênios esta batata que nos mandaram plantar e todos gostamos tanto de comer acompanha a história humana aparecida ali no lago titicaca saindo ou sendo levada em aventuras mundo afora e penso no primeiro que resolveu meter os dentes nela, naquela coisa meio pedra meio úmida no meio da terra, aquele veneno que quase mata, e um outro dia, um outro logo após uma queimada, que é um jeito de limpar o terreno, ou pode ser só um acidente e eis que aquelas coisinhas macias meio adocicadas entre as brasas, que delícia, cospe a areia, não importa, naquele momento surgiu mais um reino implantado, uns pensando que o ouro que traziam seria a salvação, imaginem, muito mais salvou foi a batata. e até hoje em todo lugar cuida-se bem de um pé de batata porque com ele é possível matar a fome, esta, direta, que nos assola humanidade, nesta hora lembrei do homem sem passado, se não viu, veja, do kaurismaki, e trata-se bem também do manjericão que mesmo sem matar fome nenhuma tem um perfume de certa forma sacia e assim preenchemos o quintal com o que nos alimenta - olhos boca nariz orelhas e tato - no tempo imediato sem saber dos mistérios que se escondem e por isso ninguém quer o quebra-pedra porque é na pedra da calçada que se pensa ao vê-lo crescer e até chegar o dia de entender que pedra é a pedra que ele quebra, há muito o quintal é outro e tudo o que diziam mato já por nossas tantas mãos foi arrancado e morto.

 

5 de agosto de 2020

na rede

não sou peixe mas tenho caído fácil nas redes. penso que estou navegando, penso que estou nadando livre nas águas da contemplação do mundo e, nada, estou enroscada nos fios de uma rede que me imobiliza.

30 de julho de 2020

em círculos

uma querida amiga, a janaina, faria sessenta anos ontem. se não tivesse morrido tão nova vítima da aids. penso sempre nela, no seu modo intenso de viver, na sua alegria. quando ela fez quarenta, fizemos uma festa em casa e foi tambem uma festa de casamento, que pouca gente se deu conta. já se passaram vinte anos desde aquele dia que a marcia trouxe um bolo com dois coraçõezinhos. a vida voa. alguma coisa sempre permanece. sempre sempre sempre terei janaína no coração, nesta casa que sou.

não à toa é a ela que dedico o casa de mim, que comecei a escrever no ano que ela morreu.

***

construo lentamente um jardinzinho de babiloninha. já temos jasmim, buganvília e um limoeiro com um botão de flor. e manjericão e melissa e capim-cidreira e salsinha e tomilho e oregano e geranio-rosa e alecrim do comum e do rasteiro e o caruru do reino subindo pelas paredes e o alho poró se desfazendo desde dentro, crescendo em camadas, e uma beterraba toda folhas e um geranio sem cheiro trazido de valência. e pimentões que nem crescem nem florescem. mas a batata, esta que espalha as ramas pelo chão, veja bem, esta planta, parente do tomate, tem flor! uma flor mínima, anunciando segredos sob a terra.

***

no documentário "human", um agricultor diz: a terra nos dá seus frutos em silêncio.

23 de julho de 2020

quem dera

fui escrever quarentena – que é um pleonasmo para confinamento – e escrevi quaresma. voltei atrás, corrigi. segui.

depois, vi que o pensamento ficou ali girando em torno da confusão.

a quaresma tem um peso roxo de dor e sofrimento. tempo de jejum. imagens e espelhos tapados, silêncios. a religiosidade do deus castigador, senhor dos exércitos, para quem as mulheres são a embalagem para mandar um filho pro mundo, e que também derrama sofrimento sobre o próprio filho, sangue, crucificação, martírio. mas, veja bem, o final da quaresma – e a quaresma sempre tem final – é a páscoa, em que tudo é luminoso, origem, primavera, pura ressurreição.  páscoa é feminino, é as mulheres na madrugada descobrindo que quem elas ama é maior que a morte. páscoa, pra mim, é joão dizendo que no princípio era a palavra. a palavra sendo.

talvez eu quisesse uma quaresma no lugar da quarentena pra poder alimentar alguma esperança de páscoa.

porque a quarentena, ao menos no meu olhar sobre ela hoje,  não tem muita perspectiva. tem peso, escuridão, aspereza, nada de flores ou frutos no final, nada de grandes transformações, renascimentos. só mais do mesmo. e este cansaço.

no começo do caos mundial em torno do vírus, cheguei a acreditar que pudéssemos – nós, humanidade, seguir por uma mudança deliberada e consciente, aproveitando a pandemia para buscar novos caminhos para o nosso convívio: suprimir as fronteiras, redistribuir renda, reduzir o consumo, garantir saúde, educação, moradia para todos, viver de um jeito mais sustentável. também cheguei a pensar que depois de tantos dias presos em nossas casas, quando nos encontrássemos seríamos só alegria e abraços. e, no entanto.

aprendo e reaprendo, me lembro, que nada muda se a gente não se move a cada dia, a cada  dia, a cada dia. e cada gesto.

passaram os dias e a quarentena virou bichos na jaula que não sabem em quem por a culpa, imobilizados, incapazes de sonhar outro futuro que não este presente insano.

nos silêncios de dentro, vou buscando seiva.

me inspiro nos tomates que crescem em cachos. e nos talos que se vergam no vento. se adaptam.

22 de julho de 2020

nossa iminência

às vezes amanheço como se estivesse à beira de uma tragédia, na iminência de um desastre. nunca sei se minha particular ou coletiva. ou ambas. a cabeça pesa e o intervalo entre uma batida e outra do coração é maior, tudo é lento. me lembra um pouco uma ressaca. mas há tanto tempo nem bebo.

me dou conta que estamos há meses dentro do desastre. por que em alguns dias isso pesa no corpo e em outros respiro e ando e faço cada coisa como se a vida estivesse absolutamente normal e caminhássemos todos juntos para a plenitude do universo eu não sei.

talvez seja só o tempo seco.  este agosto universal que se aproxima.

dou água pras plantas.

varro o chão.

junto as cinzas da véspera.

temos sido isso, esse cuidado, a manutenção do que pensamos ser, esse juntar cinzas.

não me cubro com elas. um tanto se vai no vento, outro tanto lanço no composto que um dia alimentará as plantas.

preparo o fermento.

ontem me lembrei de comprar sal. sem sal, dizem, há briga na casa.

quero paz.

***

me encolho num canto e espero.

respiro. repito o poema que a fabi me mandou: “voragem mamífera da vida”.

sigo.