20 de julho de 2011

madamices

diferentemente da outra alice, a minha, enquanto caía no buraco, acreditava que o mundo todo caía com ela.
não demorou: logo se percebeu dentro de um quase pesadelo: na cama, a lânguida senhora abria a correspondência a enumerar seus desejos e desígnios para o dia.
alice mal escutava, concentrada à procura de uma porta qualquer porta que a levasse de volta e para fora das roupas e da pele da cozinheira que agora estava.

Um comentário:

César disse...

que artista és tu...