24 de agosto de 2020

too much

 os tomates crescem, crescem quase a olhos vistos. são de um verde opaco, cremoso, e têm uma penugem de pele de bebê. de um momento para o outro, é como se perdessem a penugem e o verde opaco se transforma numa película que cobre os veios do tomate, vê-se que é repleto de fluidos, tomado de transparências. agora eu sei que neste momento começa a amadurecer. depois de perder sua opacidade, mantem a translucides por uns dias, mas depois a pele fica firme e o verde passará para uma cor difícil de descrever, entre o verde e o laranja, e lentamente, como se fosse mesmo um amanhecer, o tomate chegará primeiro num laranja sem brilho e logo num vermelho cada vez mais profundo e brilhante. a única tristeza de ver os tomates amadurecendo ao sol de verão é saber que o tomateiro, em si, ainda que lance mais umas flores, não viverá muito. as folhas secam, secam, e um dia todo ele está seco. só se mantém em pé porque se apoia na estrutura que construímos para ele.

fico pensando se a nossa pele quando for ficando translúcida será sinal de que estaremos enfim amadurecendo. a nossa morte, um tomate maduro, carnudo, cheio de suco e sementinhas.

Nenhum comentário: